Tecnologias inclusivas para pessoas com deficiência

Square

Na era digital, a tecnologia é essencial e auxilia em diversas atividades. No campo da inclusão de pessoas com deficiência, isso não é diferente. As empresas que produzem plataformas digitais e aparelhos eletrônicos têm mostrando atenção com esse público. Os sistemas acessíveis permitem que os usuários com deficiência possam utilizar melhor os recursos disponíveis em computadores, tablets, celulares e etc.

Por isso, separamos alguns sistemas que têm a função de acessibilidade e vamos explicar como o usuário pode usar essas ferramentas.

Windows 10: Para ativar o sistema de acessibilidade, o usuário precisa ir em “Configurações” do aparelho. Essa opção pode ser acessada pelo “Menu Inicial” ou pela “Central de Notificações”. Em seguida, é só selecionar a opção “Facilidade de Acesso”. Ela disponibiliza as funções de “Narrador”, na qual uma voz lê o conteúdo da tela. A pessoa ainda pode escolher entre voz masculina ou feminina, além da velocidade de narração e até que tipo de conteúdo vai ser narrado. Também está disponível uma lupa que pode dar zoom no conteúdo que está na tela. Por sua vez, o alto contraste ajuda na visualização de conteúdos para quem tem problemas de visão. Ainda é possível ativar legendas para o conteúdo que está sendo consumido.

Android: As funções de acessibilidade para o sistema Android podem ser ativadas em “Configurações”, selecionando a opção “Acessibilidade”. Nela, é possível encontrar a função “TalkBack”, que descreve as ações, avisa sobre alertas e notificações. Tudo é lido em voz alta. “Acesso com Interruptor” permite que o usuário esteja com o seu celular usando um ou mais interruptores, em vez da touchscreen. O “Acesso por Voz” permite que usuário controle o dispositivo com comandos falados. O “BrailleBack” pode conectar uma tela em braile atualizável ao dispositivo usando o Bluetooth, ela permite que o usuário edite textos e interaja com o dispositivo. Também é possível ativar legendas.

iOS: Para ativar o recurso de acessibilidade, o usuário deve ir na aba “Geral” e selecionar “Acessibilidade”. A partir daí, algumas funções estarão disponíveis. O “Voiceover” é um leitor de tela em gestos que pode ser utilizado por quem tem baixa ou nenhuma visão. Ele descreve exatamente o que aparece nos aparelhos da Apple e, desta forma, o usuário pode usar o aparelho apenas ouvindo. Esse sistema também oferece suporte para teclado em braile, que pode ser conectado através do Bluetooth. Outra função oferecida no iOS são os alertas visuais e vibratórios. Através deles, o usuário surdo sabe quando recebe notificações, pois uma luz led acende para avisar. A ferramenta “Siri” é outro recurso que permite fazer pesquisas através do comando de voz sem precisar digitar. O “Facetime” é uma ferramenta de chamada em vídeo que facilita a comunicação entre usuários surdos visualizando a linguagens de libras.

Esses sistemas já vêm dentro dos aparelhos eletrônicos para facilitar o uso das pessoas com deficiência. Em janeiro de 2016, entrou em vigor a Lei Brasileira de Inclusão, que diz no Art. 64: “Obrigatória a acessibilidade nos sítios da internet mantidos por empresas com sede ou representação comercial no País ou por órgãos de governo, para uso da pessoa com deficiência, garantindo-lhe acesso às informações disponíveis, conforme as melhores práticas e diretrizes de acessibilidade adotadas internacionalmente”. Todos os sites devem ser acessíveis para as pessoas com deficiência. É um direito de todos ter acesso a informações.

Além dos sistemas já mostrados, existem ferramentas para deixar os sites acessíveis. São elas:

BrowseAloud:

É uma plataforma que inclui fala, leitura e apoio à tradução para sites. É destinado para usuários com dislexia, baixa escolaridade, deficiência visual ou pessoas que não sabem uma segunda língua.

Hand Talk:

É um aplicativo que traduz todo conteúdo do site do português para Libras – Língua Brasileira de Sinais. É voltado para pessoas com deficiência auditiva. Queríamos incluir a ferramenta no site, porém o valor cobrado foi de R$ 7.188 por ano. Ainda tentamos negociar, mas os responsáveis pelo Hand Talk não demonstraram interesse.

GoodBros:

É uma empresa de consultoria que mostra como deixar o site acessível. Eles também prestam serviços em organizações e empresas orientando a serem mais acessíveis estruturalmente.

Leia mais: